Sobre fins

Estava voltando para casa quando cruzou por mim algum desconhecido que usava o perfume de um ex namorado. O cheiro interrompeu o trajeto e, de súbito, já não importava mais o que eu iria jantar ou quais eram os planos para o final de semana. Meu primeiro gesto, impulsivo, foi pegar o celular, discar o número e dizer “Sinto muito”. Veja bem, eu não queria pedir perdão, não seria genuíno, não era essa a idéia. Fiz todos os deveres de casa de uma relação a dois e por isso não faria sentido um pedido de desculpas a uma hora dessas – quando você deveria estar no trabalho ou transitando entre um lugar e outro sem pensar em nada sério. O que eu queria mesmo dizer era “sinto muito”: sinto muito por sermos criaturas geniosas e por termos escolhido em determinado momento seguir adiante não mais como par. Sinto muito pelos traumas de infância e pela história de vida que tivemos, pelo tempo e pela experiência ter nos transformado nas pessoas que somos, complicadas e de convivência quase impossível. Sinto muito por termos nascido em um tempo onde tudo é tão provisório: hoje se está aqui, amanhã se está lá e segunda-feira ninguém se lembra mais o que passou. Sinto muito, sobretudo, por eu não saber me enquadrar nesse mundo provisório. Queria poder te dizer que sinto muito não com um arrependimento pesado ou com uma esperança de futuro, se digo sinto muito é apenas porque, de fato, sinto muito pelas coisas terem corrido dessa maneira boba e torta. Sinto muito pelo amor ser tão cheio de reviravoltas e subjetividades. E se repito “sinto muito” agora, é como um atleta amador que olha para frente e, a meio do caminho, resolve desistir da prova. Sinto muito por ter desistido da prova. Assim como sinto muito por lembrar de você, fugidio, por conta de um transeunte desavisado qualquer que, na ignorância do que fazia, resolveu usar um perfume que não era dele: era seu. Sinto muito por querer te ligar apenas para dizer que sinto muito, porque de resto, não compartilhamos mais nada – nem a cama, nem os livros – e não tenho nada para te contar. Nosso encontro, nossa intimidade, nosso convívio, se transformou em um singelo “sinto muito”. E era apenas isso que eu queria confessar: que eu lamento imenso pelo que se passou entre nós dois.

c1a7c43220f71e0243e9301376001476

Por Rebeca Fuks, minha amiga querida e talentosa cujo Facebook está se transformando em uma leitura deliciosa. Acho que ela deveria ter um blog :)

ps: imagem daqui

Advertisements

3 thoughts on “Sobre fins

  1. Esse texto tem poder catártico. De repente me vi dizendo a todos os ex que “sinto muito”, desfazendo qualquer nó que ainda houvesse. Vale por 10 sessões de análise. Excelente, Ju!

    • Hahahaha! Adorei! Eu acho que ele tem o poder de conversar com qualquer um que já tenha passado por um relacionamento! Mas sim, é um ‘sinto muito’ poderoso!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s