Sobre os índios

Aproveitando que fiz um de raros posts de cunho um pouco mais político por aqui, vou aproveitar para falar sobre outra questão que bateu na minha porta essa semana:

tumblr_m724epBCRg1rn93x2o1_500

Ano passado eu li no grupo de leitura o livro Habitante Irreal, do Paulo Scott. O título me parece perfeito para descrever o índio hoje, no Brasil e a história é justamente essa: quem é o índio? Se ele quer ser índio, ele não pode. Se ele quer se integrar ao nosso modo de vida, ele não pode. O livro fala, acima de tudo, da impossibilidade do ser índio hoje, seja qual for a escolha dele, seja qual forem os caminhos que ele deseja trilhar (se ele puder desejar).

Também no ano passado, eu trabalhei exaustivamente a questão de Belo Monte com meus alunos, já que era um tema com grande probabilidade de ser tema de redação. O que nós concluímos foi algo muito parecido com um trecho retirado desse texto, compartilhado pelo meu amigo Duda:

“Mas o mais grave ainda está por vir. Num momento em que a Humanidade precisa modificar sua intervenção no ecossistema, sob pena de não haver mais espécie humana, o Brasil aprova um Código Florestal catastrófico, os ruralistas mandam e desmandam no legislativo, a esquerda desenvolvimentista do PT insiste em construir Belo Monte — e os índios vão sendo assasinados, torturados ou relegados à mendicância (ou emparedados até o suicídio). Em uma manifestação contra o fim da Aldeia Maracanã, o poeta Ramon Mello carregava um cartaz onde se lia a precisa pergunta: “O que se teme no índio?” Não é difícil responder. O índio é para a nossa sociedade o objeto que impossibilita o recalque de uma verdade dura demais: a verdade de que o “progresso” humano está nos conduzindo dialeticamente à morte, à morte de tudo e todos. Os desenvolvimentistas querem acabar com o índio pela mesma razão que nós enterramos um cadáver: porque ele nos lembra da nossa própria morte. É isso o que se teme no índio. Não encarar agora a verdade simbólica do índio implicará em ter que encarar a verdade real que o seu extermínio anuncia.”

Por que estou falando disso tudo agora?

Meu amigo Duda me mostrou dois artigos sobre a condição dos índios no Brasil um dia antes de outro amigo postar uma matéria dizendo que nos governos Lula e Dilma os assassinatos de índios aumentou 269%. Um dos artigos que o Duda mostrou fala sobre os conflitos envolvendo a questão indígena hoje. O outro fala sobre o Relatório Figueiredo, um relatório que denuncia abusos e torturas aos índios nas décadas de 40, 50 e 60.

Acho que quando essas coisas chegam às nossas mãos (principalmente assim, ao mesmo tempo, parecendo conspiração do universo), é nossa obrigação passar adiante.

*Foto linda de Sebastião Salgado

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s