Pinhal, a casa

*Ao som de Johnny Cash

Meus queridos (♥) leitores,

Vocês têm falado coisas tão lindas sobre os posts da fazenda! Não tenho nem como agradecer, fico muito, muito feliz!

Hoje, para finalizar, eu queria mostrar para vocês um pouco da casa do Pinhal. Ela foi construída na década de 50 e meus avós moraram lá por boa parte da infância dos filhos – meus tios, tias e minha mãe.

Eu adoro viajar para lá por mil motivos, mas acho que o principal é que sempre que vou minha mãe conta mil e uma histórias de quando ela e os irmãos eram miudinhos, de quando meus avós se mudaram para lá, sobre como meu avô era a cara do James Dean e minha avó era famosa na cidade pelas belas pernas… Fico com vontade de escrever um livro, tenho um medo dessas histórias se perderem (mas talvez a graça delas seja justamente o fato de serem lembranças, mais que histórias).

Assim que eu chego e vejo aquele murinho branco baixo, já começo a imaginar mil coisas! Como deveria ser aquele lugar quando ele virou o berço da minha família? Não tinha nem luz elétrica, um mundo totalmente diferente.

Então, tirei fotos da casa, do jardim, das flores (que, diz minha mãe, eram muito mais numerosas quando minha avó morava na fazenda!) e dos detalhezinhos da casa, que são o que me remetem imediatamente a outra época.

Espero que vocês gostem!

Assim que a gente chega, tem um espaço em frente à casa para os carros, cheio de árvores – essa com as flores vermelhas é uma das preferidas da minha mãe.

O que separa a casa desse espaço é um murinho branco com um portãozinho (muito adorável!) vermelho.

Entrando por ele, você vê logo o jardim…

Sempre que a gente ouve o pessoal falando de fotografia, fica aquela ideia de que fotografar flores é uma coisa boba, mas elas não são lindas? Não me contive :)

Essa última florzinha não parece uma luminária? Elas poderiam facilmente acender à noite :)

(adoro esse pedacinho do muro)

No jardim também tem esse balancinho branco e duas jabuticabeiras enormes…

O que eu mais adoro sobre elas é como a casca do tronco é manchada de branco e cheia de jabuticabinhas presas nela (e que cor linda a da jabuticaba!).

No quintal tem uma das minhas imagens preferidas da fazenda, a do portão que dá para o antigo curral, vermelho com uma paisagem infinita atrás dele.

Saindo do quintal e indo para a casa, tem uma escadinha redonda (acho um charme ela ser redonda!) que está sempre coberta por folhinhas e jabuticabas, já que fica logo embaixo das jabuticabeiras.

A varanda da casa é toda envolta por um muro coral bem pequenino que também serve de jardineira.

Eu acho a parte externa da casa tão linda, que uma das partes da casa que eu mais gosto é a janela da sala, que dá para ela :)

O mesmo vale para a janela do quarto onde eu sempre durmo quando vou para lá, que dá para os fundos da casa, onde tem um riachinho e um casal de gansos.

(eles parecem bonitinhos, mas são de longe os bichos mais ferozes e barulhentos da fazenda… dissimulados. hahaha)

Esse quarto era o das crianças quando meus avós moravam lá, e ele é cheio de coisinhas que eu gosto.

As portas dos armários tinham esses furinhos em forma de flor para ventilar (imagino), acho que fica tão singelo.

Essa menininha é minha mãe ♥

Esses são meus tios e tias. Amo ver fotos dessa época, amo os cortes das menininhas, as roupas…

Outras coisinhas da casa:

Acho essa cortina do banheiro e o jeito como a luz passa por ela um charme! Também acho lindos esses azulejos estampados pela parede toda.

Outro cômodo predileto é a cozinha, ela é tão aconchegante! O filtro de barro e esses banquinhos de madeira me transportam imediatamente não só à fazenda, mas à casa da minha avó, na cidade.

Quando cheguei, fiquei feliz de ver que a casa continua linda como sempre foi e super bem cuidada. É engraçado porque ela é relativamente nova, tem uns 60 anos de idade, mas já é tão diferente do que a gente vê hoje – o teto é alto, em cima das portas enormes tem uma janelinha com grades, tudo faz barulho (sempre fico com um pouco de medo à noite, hehe).

Special thanks para meu tio Marcelo e meu primo Teo, por serem anfitriões/guias maravilhosos, para a Dedê querida, que faz a casa ficar tão acolhedora, para minha prima Carol, que foi almoçar com a gente, e para minha tia Ana Lúcia que mandou a lata de pé-de-moleque!

E muito obrigada a vocês que leram tudo isso e viram esse montão de fotos! É ótimo ter com quem compartilhar essas coisas, que são dear to my heart. ♥

Anúncios

6 thoughts on “Pinhal, a casa

  1. Ju, a Fazenda fica ainda mais charmosa e aconchegante sob suas lentes! Amei as fotos, os detalhes, enfim, a sua poesia de retratar a vida!
    Bjão

  2. Xuxu!! A Fazenda é uma delícia, hein? Muita vontade de ficar num lugar desses, sem compromisso, só aproveitando… E as fotos.. um arraso *as usual*.. =) Beijão, querida!!

    • Obrigada, Marinaaa!! ai, que saudades suas!!!
      acho que minha mae vai trazer café da fazenda pra gente mandar praí, hein! tomara que ela não esqueça! hahaha
      um beijo!!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s